Português

by Nicolas Panotto, 29 junio, 2021

Otros Cruces é uma organização que trabalha os cruzamentos entre religião e espaço público, tradições religiosas e movimentos da sociedade civil. Buscamos promover o encontro entre grupos distintos, mas que têm objetivos não tão distintos, a fim de facilitar a intersecção entre a fé e a realidade que nos cerca, entre comunidades religiosas e organizações da sociedade civil, entre os caminhos da espiritualidade e atores políticos. O propósito é que este intercâmbio de saberes e experiências inspire ações em favor do diálogo, da democracia e dos direitos humanos, desde uma visão respeitosa e inclusiva das vozes religiosas em suas distintas perspectivas.

Contamos com uma equipe interdisciplinar de politólogas/os, sociólogas/os, cientistas da religião e teólogas/os, que trabalha temas a respeito do estado laico, liberdade religiosa e incidência no espaço público tendo como pedra de toque os direitos humanos. Otros Cruces é o resultado do processo de transição do Grupo de Estudos Multidisciplinares sobre Religião e Incidência Pública (GEMRIP), organização que surgiu a partir da inquietude de um grupo de mulheres e homens latino-americanos na busca por espaços de diálogo e troca de saberes sobre a ampla relação entre a religião e o espaço público.

Durante toda a nossa existência institucional, trabalhamos a partir de perspectivas plurais, inclusivas e sensíveis às demandas cidadãs e sociais. O projeto passou por diferentes momentos, com distintas ênfases: desde a produção acadêmica típica de um Grupo de Estudos, passando por cursos virtuais de caráter multidisciplinar até a criação de espaços de sensibilização sobre Religião e Incidência Pública.

Por isso, fez-se necessário pensar em um outro nome que fosse capaz de expressar a amplitude que se apresentava em nosso horizonte:

  • OTROS CRUCES: porque somos um espaço que cria pontes entre diversos mundos, entre a fé e a política, a religião e o espaço público, pessoas de fé e as organizações da sociedade civil.
  • OTROS CRUCES: porque cremos que a política está relacionada com a construção de diálogos, de encontros, de intersecções que nos conduzam a novos lugares.
  • OTROS CRUCES: porque nos apaixona a construção de novos/outros saberes a partir do encontro interdisciplinar e entre distintos grupos da sociedade.
  • OTROS CRUCES: porque cremos que a incidência a partir da fé pode gerar algo novo, a partir de outro horizonte e também como marco crítico.

 

MISSÃO

Criar instâncias de diálogo e intercâmbio que facilitem o encontro entre organizações baseadas na fé, comunidades religiosas, espaços de espiritualidade, atores políticos e da sociedade civil, a fim de fomentar o conhecimento mútuo, a produção coletiva de saberes e ações conjuntas de incidência, a partir de perspectivas políticas e crenças que promovam a democracia e os direitos humanos.

 

VISÃO

Visualizamos uma sociedade que compreenda o valor da liberdade religiosa e da laicidade desde uma chave inclusiva e plural, bem como o aporte às distintas formas de espiritualidades para a promoção de uma democracia plena, uma convivência ecológica e a defesa dos direitos humanos.

 

PRINCÍPIOS

Diálogo I Direitos Humanos I Democracia I Inclusão I Espiritualidade I Saberes

 

ÁREAS

  1. Política, espiritualidades e religiões
  2. Gênero, diversidade sexual e religiões
  3. Ecologia e espiritualidades

 

ATIVIDADES

Sensibilização I Organizar eventos públicos no âmbito nacional e regional sobre temáticas contingentes.

Formação I Desenvolver programas de formação sistemática para organizações da sociedade civil, grupos políticos e organizações baseadas na fé em formato presencial, semipresencial e virtual, focados no aprofundamento dos marcos de análise da relação entre religião e espaço público, assim como a construção de ferramentas de incidência.

Incidência I Promover o valor da liberdade religiosa, da laicidade e a importância das vozes religiosas no espaço público entre pessoas, organizações e espaços de deliberações políticas, tanto no nível nacional (secretarias de Estado, redes de organizações da sociedade civil, secretarias de assuntos religiosos, think tanks políticos, centros de formação acadêmica etc.) como regional (OEA, CIDH, ONU).

Articulação I Fomentar instâncias de articulação e diálogo entre organizações para a construção de estratégias conjuntas e execução de ações em temáticas comuns relacionadas à agenda dos direitos humanos.